Biotecnologia farmacêutica

Criada para atuar, especificamente, com biotecnologia farmacêutica. Desde a sua criação em 2012, estabelecemos parcerias estratégicas para receber a tecnologia e treinamento de ponta para atuar na produção e comercialização de medicamentos biológicos de alta complexidade.

A biotecnologia corresponde ao conjunto de tecnologias que utilizam células, organismos celulares e biomoléculas com objetivo de desenvolver medicamentos para salvar vidas. Trata-se do emprego de técnicas laboratoriais e processos industriais para produzir biofármacos, sejam eles hormônios, anticorpos monoclonais, enzimas, entre outros.

O domínio de toda essa tecnologia, aliado ao mais elevado padrão de qualidade vigente no mundo, permite desenvolver e produzir biofármacos inovadores.

O que são biofármacos?

São medicamentos originados a partir de um processo biológico que utiliza células geneticamente modificadas para a produção de proteínas terapêuticas. Com o advento da tecnologia do DNA recombinante e outros avanços científicos na área de biotecnologia, é possível produzir medicamentos biológicos de alta complexidade.

Esses produtos possuem em sua composição um ou mais componentes oriundos de organismos vivos[1], moléculas de proteínas complexas como princípio ativo e são divididos em duas categorias[2]:

Os medicamentos biológicos são importantes para o tratamento de diversos tipos de câncer, doenças autoimunes e outras patologias.

Como são produzidos

A criação de um biofármaco requer um longo período de pesquisa e alto investimento. Diferentemente do medicamento sintético, o biológico tem como princípio ativo uma substância produzida a partir de células vivas.

Veja abaixo os processos e fases de desenvolvimento e fabricação de um biofármaco[1]:

1

2

3

4

5

6

Vale ponderar que, para o desenvolvimento de um biofármaco, é imprescindível a realização de estudos não-clínicos in vitro e in vivo para avaliar a segurança e eficácia do medicamento[4]. Considerando a complexidade das moléculas de proteínas, os medicamentos biológicos não permitem cópias idênticas, mas sim equivalentes, que são os chamados biossimilares.

Biossimilares

É um medicamento subsequente do biológico já desenvolvido e com a patente expirada. Apesar de não serem idênticos, a biossimilaridade deve ser comprovada por um conjunto de estudos comparativos.

É importante destacar que os biossimilares são altamente similares em termos de propriedades físico-químicas, estruturais e biológicas aos produtos inovadores referência. Eles são aprovados com o mesmo padrão de qualidade e devem corresponder ao medicamento inovador em termos de segurança, pureza e eficácia. 

Os biossimilares têm o potencial de ampliar o acesso de pacientes que precisam de tratamentos inovadores para diversos tipos de câncer, doenças autoimunes e outras patologias, além de gerar economia para os sistemas de saúde.

Os inúmeros benefícios dos biossimilares

Para pacientes

Aumentam o acesso a medicamentos de alta qualidade.

Para os médicos

Representam mais uma opção de tratamento (e mais acessível) para oferecer aos seus pacientes.

Para sociedade em geral

Elevam a concorrência entre empresas, permitindo uma redução no custo sem comprometer a qualidade do tratamento.

Para o governo

Proporcionam economia para os sistemas de saúde se comparado com os investimentos com biológico originador, otimizando a distribuição de recursos para melhorar os cuidados com a saúde.

Em geral, a produção de biossimilares em território brasileiro traz inúmeros ganhos para o país. Com a produção interna, o Brasil deixa de importar medicamentos e passa a fortalecer seu parque industrial de saúde, gerando novos empregos, arrecadação, investimentos, conhecimento científico e capacitação de mão de obra. Além disso, a fabricação local de biofármacos ajuda a deter tecnologia estratégica no mercado farmacêutico global.